quarta-feira, 11 de maio de 2011

Avida imita a arte ou a arte imita a vida - Veja essa pérola que encontrei, uma poesia que fala sobre a situação de Itacoatiara em 1916.


A  C I D A D E
Como te conheci !...
Eras bela, florescente, esplendorosa...
Tuas ruas e tuas praças primavam pela limpeza e pela elegância tua arborização era bem cuidada e teu povo era alegre, unido e forte...
A brancura nívea da tua casaria compacta,
emulava ciosa da alvinitência deslumbradora da areia das tuas ave­nidas largas e extensíssimas...
Teu progresso era visível e tua fama enchia o mundo, levada por essa garbosa flotilha estrangeira que embelezava o teu modesto ancoradouro...
Teus habitantes, sóbrios e despidos de tolos precon­ceitos, num amplexo de larga fraternidade, trabalhavam só para ti, só pelo progresso e pela tua grandeza, que já se delineavam no avanço que ganhastes á frente das outras cidades tuas irmãs...
Tudo em ti era grandioso, tudo era esperança, tudo era altruísmo; o entusiasmo atingira ao delírio, seu má­ximo expoente.
Se em teus bailes não se via o esplendor que afetam hoje, numa ostentação de fementida riqueza, havia, entre­ tanto, neles uma música mais suave, de ritmos mais cadenciados, de acordes mais impressionantes; era a harmonia social, a harmonia das amizades, tão diferentes das de hoje pelo cunho indelével da sinceridade que resumbrava de todas as afeições daqueles belos tempos. Era a musica do coração...  
E tu evoluías n'um andar gigantesco de filha privilegiada do destino.
Hoje! como mudaram-se os tempos! Ó tempore! ó amores!
A ti fizeram o que costumam fazer ás noivas quando elas, recebendo no altar sagrado o ente amado, devolvem-se á sala sumptuosa da festa nupcial...
Tiraram-te os botões alegóricos de tua grinalda nunca maculada e destribuiram-nos pelos convivas refalsados, que te olhavam de soslaio ao calcarem, maldosos, sob os pés, o símbolo de tua pureza virginal...
Poluíram sem dó, com indizível insídia, a candidez arminia, de tuas vestes pulcras...
E deixaram-te assim...
Parece que sobre tí desencadearam-se, implacáveis, todos os males que continha o maldito relicário de Pandora !
Onde aquela fraternidade, aquela concórdia, aquela coesão de vistas que faziam de todos os teus habitantes uma só força, uma só alavanca do teu progresso sempre crescente ?
Que é feito daquela boemia cativante e amorável que era indistintivamente; o característico apanagial do teu povo que tinha sempre o coração aberto em descomunal diástole às grandes empresas, ás generosas e grandes ações ?
Tuas ruas, transformadas em vastos matagais, foram
prezas  indefesas do furor indômito das chamas ateadas pela malvadez doentia de desnaturados seres, que, como o joio, nos trigais, insinuam-se pérfidos e maldosos nos meios mais seletos; que como o miasma deletério, atrofiam o mais puro ambiente...
E ei-las, as tuas ruas, negras, vestidas de intenso luto, como se tivessem a consciência de sua grande desventura...
Nem a tua necrópole, deposito inestimável de tantas relíquias sagradas; nem a santa morada daqueles que foram os teus antepassados, nada respeitou a faina violenta e destruidora do elemento ígneo.
Como se um rastilho houvesse minado toda a tua superfície, nem uma rua, nem um quintal dos teus subúrbios, escaparam ás conseqüências da perversidade atroz.
Quem te governa? Sabei-la tu? A que mãos sacrílegas confiaram os teus destinos ?
Os destroços mutilados de tua grandeza d’outrora são o atestado vivo do abandono em que deixaram-te.
A intriga e as discórdias, fruto das perseguições desumanas de que tens sido teatro, impeliram-te para essa queda moral de que não te levantarás tão cedo; a desídia a Incompetência e a ignorância daquele cujos carinhos fostes confiada, arrastaram-te a isso que, materialmente és: uma velha cidade, sem estética, sem limpeza, sem luz sem higiene !
O teu povo é o mesmo: bom e generoso. Expele do regaço os maus, e terás o teu ressurgimento, belo e grandioso...
Na celebre boceta aberta por Epimethéo ficara ainda a esperança...
Ainda bem que tens a esperança oh! abençoada Itacoatiara, que eu adoro sempre.

04 de setembro de 1916

JUSTUS

Fonte:  Queiroz, Joaquim Francisco. O Município de Itacoatiara – Os inimigos do seu progresso e sua administração municipal. Livraria Clássica. p.178-180. 1916

2 comentários:

Fernando Lobato disse...

De 1916 a 2011 vai quase um século....Espero que a esperança afirmada pelo poeta em sua última linha se manifeste sem mais demora....E que, conforme vaticina, o seu povo bom e generoso, oh Itacoatiara! afaste os maus do seu convívio para que tenhas logo o seu ressurgimento belo e grandioso!!!Assim seja!!!!

Frank disse...

Gostei do comentário Lobato, o texto cai como uma luva na atual conjuntura local.

Consulta de opinão

ALBUM DE ITACOATIARA